carnavalhistóriatemasabadasmúsicahome


  Bastidores da Folia

      


QUANDO ?

  25 à 28 de julho 1996

ONDE ?

  Avenida Beira Mar - Fortaleza CE

Portal Carnaval

volta | contato

Fonte : Jornal do Brasil, Caderno B
Publicado em 01/08/1996, página 52


Fortal 1996
5ª edição - slogan "5anos! A Micareta!"


Na despedida das férias de julho, no último fim de semana (25 à 28 de julho), Fortaleza pôs um ponto final na falta de tradição carnavalesca com o Fortal arrastando uma legião de foliões. O evento consolidou a vitória de um dos melhores negócios de exportação que a Bahia já inventou depois do cacau: a franquia do modelo atrás-do-trio-elétrico empurrado pela axé-music. Quinze bandas baianas, levaram, de quarta-feira a domingo, um público de 1,5 milhão de pessoas, segundo estimativa dos organizadores, com base em projeção feita pela Polícia Militar. O Fortal movimentou este ano R$ 4 milhões com a venda de abadás, um tipo de camisola ou mortalha que caracteriza os 20 mil foliões privilegiados que pagaram para sair nos blocos, também uma invenção baiana. Cada bloco desfilou cercado por um cordão de isolamento de mil seguranças, cem dos quais tidos como de elite. O marketing da segurança influi na aquisição dos abadás, que dão direito a brincar na rua, sem o risco de se misturar com a multidão que segue os trios.
O Fortal seguiu um projeto elaborado. Os foliões que pagaram para sair dentro dos blocos tinham direito a seguro saúde, ambulância da prefeitura, caminhão de apoio com banheiro e venda de bebidas exclusiva. O povão, a grande maioria, brincou de graça e sem mordomias. O Fortal é composto por quatro categorias: camarotes, os blocos oficiais, sete blocos alternativos e os blocos pipoca, com a participação dos não pagantes. O preço do abadá dos blocos oficiais variou, este ano, de R$ 150 a R$ 320, enquanto o dos alternativos estava entre R$ 50 e R$ 170. Uma quinta categoria não encarou a festa com tanto bom humor: os moradores das ruas por onde a micareta passava receberam um passe para poder entrar e sair de casa nos dias da festa. Sem falar no barulho causado pelos trios, que chegou a 800 decibéis, quase dez vezes mais que o máximo tolerado pelo ouvido humano.

A prefeitura levou ao Fortal 13 ambulâncias e ofereceu 294 ônibus em quatro linhas extras para transportar os foliões até as 4h de segunda-feira. O governo estadual pôs a serviço da festa três mil homens, entre eles dois mil policiais militares, 20% da tropa, considerados suficientes para atender a um público que lotou os hotéis de Fortaleza durante uma semana. O estado e a prefeitura também comemoraram a alta procura pela festa. Este ano, pela primeira vez, os donos de bloco passaram a pagar à prefeitura o Imposto Sobre Serviços (ISS) e o Imposto sobre Consumo de Mercadorias e Serviços (ICMS) ao estado.
Em 1995, pela primeira vez, a Receita Federal intimou os organizadores do Fortal a acertar contas com o Leão. O Imposto de Renda foi pago com base numa estimativa, modesta, de que foram vendidos 19 mil abadás, com receita de R$ 3,8 milhões. O Fortal-96 foi patrocinado pela Antarctica, com R$ 170 mil, Coca-Cola, com R$ 170 mil, Unimed, com R$ 100 mil e carteirinhas de segurado para todos os foliões que compraram abadás, e pela Vasp, que transportou 352 convidados para a participação na micareta. Entre eles, o ministro dos Transportes, Odacir Klein, o diretor de novelas Paulo Ubiratan e Boninho, diretor de especiais da Rede Globo, com sua namorada, a atriz Ana Furtado, e o ator Victor Fasano. Também estiveram presentes o humorista Tom Cavalcante, o cantor Fagner e a atriz Paula Burlamarqui. Considerando-se o retorno financeiro, a franquia do carnaval baiano saiu-se melhor que o original. Além do lucro dos 210 camarotes, a R$ 4 mil cada, o evento vendeu 25 mesas de pista a R$ 800 cada, vários empresários aproveitam o Fortal para levar executivos de multinacionais a Fortaleza, pensando em futuros negócios. Nestlê, Lacta, Consul, Kaiser, Banco Itaú e várias agências de publicidade organizaram camarotes exclusivos.
O percurso foi invertido, começando nas imediações da Estátua de Iracema, na Beira-Mar e terminando no começo da Praia de Iracema. Nesse ano as novidades do evento foram as bandas Pimenta N’Ativa, Timbalada, Cia. do Pagode e Zanzibar

BLOCOS OFICIAUS
- Bloco Sirigüella - Chiclete com Banana (Bell)
- Bloco Quero Mais - Asa de Águia (Durvel)
- Bloco Lero - Cheiro de Amor
- Bloco Tropical - Timbalada + Daniela Mercury
- Malucomania - Banda Mel (Robson, Márcia Short e Alobened)
- Bloco Kanguru - Ricardo Chaves
- Bloco Evabary - Netinho
- Bloco A Barca - Pimenta N' Ativa (Serginho)
- Bloco Tôa Tôa - Banda Eva (Ivete Sangalo) + Zanzibar
BLOCOS ALTERNATIVOS
- Bloco Nana Banana - Chiclete com Banana
- Bloco Sevirynno - Jheremmias Não Bate Corner
- Bloco Sedução - AraKetu (Tatau) + Banda Pinote (Sidney Moura)
- Bloco O Bicho - Ricardo Chaves
- Bloco Paquerei - Companhia Pagode + Zanzibar (Sâmia)
- Bloco Leveza - Banda Patrulha (Ercson de Melo)
- Bloco Porrêtchan - É o Tchan (Beto Jamaica)


EDIÇÕES ANTERIORES

CarnAxE - o autêntico e mais completo Portal do Carnaval
1995 - 4ª edição
1994 - 3ª edição
1993 - 2ª edição
1992 - 1ª edição
www.carnaxe.com.br